Cantor Guigga volta com o bloco Me Leva em Salvador; [SAIBA MAIS]

“O intuito é fazer uma grande festa de carnaval”, afirma o artista premiado com um Caymmi de Música como melhor intérprete

Foto: Felipe Rocha e Purki


O artista baiano Guigga volta a Salvador na próxima quinta feira, 28 de outubro com o bloco Me Leva,  a estreia aconteceu  no dia 19. O show acontece na Arena Sesc-Senac Pelourinho, a partir das 20h, e irá contar com participações especiais de Ana Paula Albuquerque e Lucas Gerbazi, que irão potencializar a presença dos artistas do interior na capital baiana.

“O intuito é fazer uma grande festa de carnaval”, afirma Guigga. No repertório, canções de sua autoria, como “Xylocaína” e "Coisa de Mandinga”, além de interpretações de artistas que o inspiram, como Gilberto Gil, Caetano, Ivete Sangalo, Moraes Moreira e A Cor do Som. “Estou muito empolgado porque, depois de muitos anos, para além da pandemia, estou voltando a cantar música da Bahia e aquilo que a gente entende como axé music. Poder acessar esse repertório, me reconhecer nesses espaços e fazer show no Pelourinho com essas músicas me deixa muito eufórico”.

 

VEJA TAMBÉM:Cantora conquistense Luiza Audaz lança clipe de Blueberry nesta sexta

 

O momento também coincide com o lançamento do videoclipe Xylocaína, sob a direção do artista visual Felipe Bezerra (diretor do clipes “Alfazema” e “Capim Guiné” do Baiana System), marcando a nova fase de Guigga. A canção esteve presente no seu primeiro álbum solo, “Divino e Ateu” – que lhe rendeu o prêmio de Melhor Intérprete Masculino na categoria Show no Prêmio Caymmi de Música – e recentemente ganhou uma remixagem do DJ Mangaio (OQuadro).

 

Bloco Me Leva

O bloco Me Leva foi fundado em 1993, em Maracás (BA), cidade natal de Guigga, levando o mesmo nome da banda liderada pelo seu pai, Sebastião. Na época, por causa da semelhança das nomenclaturas, a banda Asa de Águia precisou mudar o nome do bloco “Me Leva com Amor” para “Me Abraça”, tornando-se um dos blocos mais importantes do carnaval da Bahia e influenciando diretamente nos caminhos da banda Me Leva no interior. “30 anos depois, o Me Leva inicia os trabalhos em Salvador de forma muito espontânea. Que bom que o Asa de Águia reconheceu, naquela época, a importância da banda Me Leva”, destaca Guigga. 

Comentários