CONQUISTA: Município poderá sediar Batalhão de Infantaria do Exército

Também foram solicitadas melhorias na estrutura do Tiro de Guerra

Foto: Divulgação/PMVC


Nesta quarta-feira (18), a prefeita Sheila Lemos recebeu, em seu gabinete o chefe de instrução do Tiro de Guerra 06-006, 1º Sargento Paulo Robinson Ferreira Ben. No encontro, o militar informou à gestora que há uma possibilidade de Vitória da Conquista se tornar a sede de um batalhão de infantaria do Exército.

O 1º Sargento Robinson disse que ele conheceu o projeto de criação do batalhão em recente encontro com o Chefe de Relações Públicas da 6ª Região em Salvador, Coronel Marco Antônio. O comandante do Tiro de Guerra informou que há uma necessidade por ser uma cidade de porte médio que atende outras regiões do Estado da Bahia. “Nesta região não tem quartel, só os tiros de guerra próximos. A terceira maior cidade do Estado, inclusive tem as demandas da Operação Pipa. Tem uma região grande aqui, no norte de Minas Gerais e parte também do Espírito Santo, que não tem o quartel do exército”. Será agendada uma reunião da prefeita com o Coronel Marco Antônio para levantar o interesse da comunidade local e das lideranças, principalmente políticas, para colocar em execução o projeto que já está pronto.

VEJA TAMBÉM: CONQUISTA: Prefeitura abre seleção para psicólogos, assistentes sociais e pedagogos

Também foram solicitadas melhorias na estrutura do Tiro de Guerra e houve a entrega de um exemplar da revista do Comando Militar do Nordeste, a pedido do Comandante Gen Marco Antônio. De acordo com o 1º Sargento Robinson, o encontro foi positivo. “Prefeita educada e carismática. Conseguimos colocar algumas demandas. Agradeço a cordialidade e a recepção da prefeita mais uma vez, por ter esse carinho com o Tiro de Guerra”.

A prefeita Sheila Lemos demonstrou entusiasmo com a possibilidade de Vitória da Conquista ter um Batalhão de Infantaria. Para ela, há a necessidade porque “o município está numa localização estratégica, abrangendo várias regiões do Estado”. Na ocasião, a gestora também apresentou a dificuldade que ocorre devido à diminuição de carros pipa, mantidos pelo Exército, que abastecem com água potável regiões atingidas pela seca. “Temos uma zona rural extensa que está sofrendo com a seca. Estamos solicitando ao exército mais carros pipa”. Em relação às demandas apresentadas na área do Tiro de Guerra, informou que seriam encaminhadas para que possam ser atendidas.

Comentários