Cantora baiana Bia Marques investe no funk pelúcia em seu mais novo single, Me Deu Foi Chifre

A vertente fofa do funk, que tem conquistado a internet e o mainstream, ganha versão de sofrência na voz da cantora prodígio, dona de mais de 75 milhões de views

Foto: Divulgação


Batidas leves, melodia acústica, pegada envolvente e dançante. Essas são algumas características do funk de pelúcia, gênero novo e crescente que tem feito a cabeça dos brasileiros e que, agora, chega na bela voz de Bia Marques.

"Me Deu Foi Chifre" é o novo single da cantora e compositora baiana, de apenas 19 anos, que está despontando no universo musical e na internet – entre as dezenas de vídeos postados em seu canal do YouTube, 21 deles ultrapassam a marca de 1 milhão de visualizações cada. Com referências que mesclam funk, pop e MPB, a divertida música foi gravada pela 48K Records e promete agradar diversos públicos, sendo a trilha sonora perfeita para curtir sozinho ou para cantar em coro com os amigos. O single estreia em todas as plataformas digitais dia 21 e o clipe, dirigido por Icaro Bravo, será lançado dia 25, no YouTube.

O nome conhecido por disseminar o funk de pelúcia é Julio Secchin, cantor carioca que, entre outros elementos, adiciona letras românticas às batidas eletrônicas e solos de cavaquinho. O estilo é uma nova aventura para o repertório de Bia Marques, que conta ter se divertido muito durante o processo criativo: "as minhas músicas são mais românticas, mas eu gostei tanto das brincadeiras que dava pra fazer com esse estilo de funk, que a ideia da letra e melodia fluíram facilmente… É uma música pra descontrair!", afirma a cantora que assina a composição ao lado de Thiago Mart, da dupla Mar Aberto.

Considerada até uma sofrência, a música brinca com a ironia e decepção de um amor, com uma pitada de deboche, como mostra o trecho: "Nunca pensei que seria feita de trouxa como fui com você / mas poxa quem é que diria que o cara perfeito que trazia buquê/ quebraria todas essas promessas, me enganaria com uma mentira dessas / e dizia que me daria tudo, que eu merecia o mundo, mas sabe o que ele me deu?/ Me deu foi chifre, acreditei que era pra valer/ nunca pensei que isso ia acontecer/ então meu bem, vai se fuder".

O clipe reflete a mesma vibe animada e debochada da música, com a participação dos dançarinos Andre Kifh e Ed Santos, que performam coreografias em diversos cenários ao ar livre, pelos bairros da Aclimação e Vila Mariana, em São Paulo. A produção executiva é de Julio Salinas e a produção musical é de Mateus Melo e Raul Alaune, da 48K, que revelam quais foram as referências usadas durante o processo criativo: "Nós mesclamos essa pegada MPB que a Bia tem, com uma linguagem pop americana dos anos 50 e 60 e adicionamos a pulsação do funk. Para finalizar, acrescentamos alguns synths modernos de voz, usados em muitas músicas pop do momento", conclui Mateus.

E vem mais novidades por aí: em breve, Bia vai lançar um feat. com ninguém menos que a funkeira Tati Zaqui, também pela 48K Records.

 

Comentários