Metade dos brasileiros já deixaram de transar por terem bebido além da conta

Levantamento do aplicativo de relacionamento Ysos traz dados sobre o consumo de álcool e cigarro no flerte e nas festas liberais

Foto: Reprodução


Fumar e consumir bebidas alcóolicas são hábitos comuns do brasileiro, mesmo que sejam  expressamente advertidos pelos médicos. É sabido, por exemplo, que o cigarro é um veículo para mais de 4700 substâncias tóxicas que prejudicam pulmões, coração, vias aéreas e compromete a saúde do ser humano. Mesmo assim, segundo o Ministério da Saúde, em 2019, ainda havia 22 milhões de fumantes no Brasil. Já o consumo de bebidas alcoólicas, embora não recomendado em excesso, sofre menos proibições por parte da classe médica. Aliás, tem até quem recomende uma taça de vinho todos os dias para o coração.

Mas, o impacto do consumo de álcool reflete na vida sexual dos brasileiros. O aplicativo de relacionamento Ysos, voltado para a prática de ménage a trois, reuniu em uma pesquisa dados que mostram que, enquanto muitos acreditam que tomar uma ou duas doses para relaxar seja importante na hora de um encontro, 50,63% disseram que já deixaram de transar por terem bebido demais.

A pesquisa promovida pelo aplicativo reuniu 27 mil respondentes. Dos quais, 84,52% afirmam beber no rolê, enquanto 15,48% disseram que não bebem nem mesmo nessas ocasiões. A CMO do Sexlog, rede social criadora do Ysos, Mayumi Sato, comenta que o principal é manter o equilíbrio e o respeito. “Seja em encontros pelo app, em casas de swing, ou qualquer date casual ou não, deve haver respeito com você mesmo e com o outro. A bebida é um modo de esquentar as coisas, mas exagerar pode comprometer toda a ocasião e acabar frustrando mais que ajudando. Com o cigarro, é preciso estar atento às permissões do local e, também, evitar incomodar quem estiver com você”, recomenda.

O Ysos também perguntou aos entrevistados se eles procuram saber se as pessoas com quem vão interagir fumam. Colocar no perfil se fuma ou não é opção de cada um, mas do total de tabagistas, somente 17,29% informam o hábito em seus perfis de paquera, enquanto 82,71% preferem omitir essa informação. E para 37,62% essa informação não importa, já para os 62,38% restantes, é importante saber antes.

Quando questionados se saem com fumantes ou não, 46,18% disseram que esse não é um fator decisivo e que têm encontros com ambos os perfis. Já 37,68% levam o hábito de fumar em conta e só saem com pessoas não tabagistas. E aqueles que saem exclusivamente com fumantes representam 16,15%.

Para Mayumi Sato, o importante é curtir e, para que as práticas rolem tranquilas, a pessoa precisa estar consciente. “Em casas de swing, por exemplo, muitos casais preferem singles que não estejam bebendo para  evitar possíveis constrangimentos e até a famigerada broxada”, conta.

ML* tem cadastro no Ysos e foi uma das pessoas que responderam à pesquisa do aplicativo. Ele conta que, uma vez, saiu com uma mulher que estava bêbada e quis levar uma garrafa de vodka para a cabine. “Ela derrubou a bebida em mim, no chão e ainda quebrou a garrafa quase nos cortando”, relembra.

AJP*  também é um dos perfis que responderam à pesquisa. Ele conta que uma vez, estava assistindo à sua esposa transar com outro cara e esse começou a fumar um charuto. “Ele puxou um charuto do bolso da calça que estava pendurada, acendeu e começou a fumar durante o sexo com ela, que odiou e só não fomos embora porque ela reclamou e ele apagou”, conta.

*O uso de abreviações visa preservar a identidade dos participantes da pesquisa.

Comentários