Novo normal: cerca de 30% dos usuários de site de relacionamento investem em jantares online

Usuários de sites de namoro apresentam novas formas de se relacionar virtualmente e têm recorde de acessos durante a pandemia

Foto: Kim Hong-Ji/Reuters


A medida que o distanciamento social (que foi iniciado em março para grande parte da população) se estende, uma nova preocupação surge entre profissionais da psicologia: a saúde mental e as emoções, assim como os relacionamentos, durante e pós-pandemia. De acordo com recente entrevista da professora de psicologia da saúde na Universidade de Vrije, em Bruxelas, e especialista em estresse e trauma, Elke Van Hoof, estamos diante de um enorme experimento psicológico na história do mundo, onde o confinamento pode trazer diversas consequências.

O impacto emocional e psicológico do distanciamento físico, especialmente no caso de solteiros, têm feito essas pessoas recorrerem às redes sociais e aos sites de relacionamento. Uma pesquisa realizada com 5.647 pessoas no Solteiros50, site de relacionamento voltado para quem tem mais de 50 anos, mostra que pessoas a partir dos 50 anos estão aproveitando a quarentena para conhecer o universo virtual, sair da rotina e explorar os novos recursos das redes sociais. Entre março e junho, o site registrou um aumento de 43% em seus acessos. 26% dos usuários estavam desfrutando pela primeira vez de uma primeira experiência num relacionamento virtual.

Segundo Carla Cecarello, psicóloga do site Solteiros50, essa faixa etária de cinquenta anos para mais, gosta de uma relação tête-à-tête ou one-one. Apesar desse desejo e desse requisito, a pandemia trouxe uma nova modalidade para essas pessoas. “Elas estão se aventurando a aprender, a entender como é que funciona essa experiência de um relacionamento virtual e gostando”, explica. 

Sem a possibilidade de marcar encontros, 35% dos usuários do Solteiros50 disseram que estar confinado e usar site de relacionamento mostrou a eles um mundo até então desconhecido e novas maneiras de se relacionar. Para 47% deles, o namoro virtual diminuiu a ansiedade, já que não há a expectativa por um primeiro encontro presencial, além de ser mais fácil compartilhar e expor seus desejos e medos. De acordo com a psicóloga do Solteiros50, "o namoro virtual durante o confinamento está levando diversão, mais autoconhecimento, além de trazer novidade, dinamismo para a vida da pessoa. Essa motivação é fundamental para evitar depressão e manter de certa forma uma interação social, apesar dela ser virtual", afirma Carla Cecarello.

Quanto aos encontros do "novo normal", 34% dos usuários do Solteiros50 revelaram que marcaram jantares virtuais com o parceiro, tomaram vinho, tudo virtualmente, enquanto conversavam com os pretendentes no site. Segundo Cara Cecarello, os usuários de sites de relacionamento costumam ter menos vergonha ou timidez e aproveitam melhor as conversas online porque não tem a exigência inicial do primeiro encontro presencial.

"Pela câmera, se libertam mais, ficam mais desinibidos e falam com mais facilidade o que pensam. Os cinquentões e cinquentonas estão se aventurando nesta nova modalidade, que deu a eles uma opção de conhecer pessoas”, diz Carla Cecarello. Segundo a consultora, os sites e aplicativos ampliaram o horizonte desses usuários, estimulando a criatividade para a diversão e gastando muito menos dinheiro”, ressalta a psicóloga.

Para os românticos assumidos, mudar drasticamente a forma de se relacionar parecia um desafio, mas os usuários de sites encontraram novas maneiras. As conversas longas, as flores, o vinho, o romantismo e a sofisticação seguem, mesmo que aprimoradas. Numa pesquisa feita pelo Amor&Classe, site de relacionamento para românticos assumidos, houve o registro de 48% de aumento no número de acesso pelos usuários entre o mês de março e junho.

A pesquisa foi realizada com 9.378 usuários, na faixa etária entre 25 e 35 anos de idade, e mostrou que para 38% dos usuários, estar em isolamento e encontrar um parceiro de forma virtual, sem os compromissos do dia a dia tradicionais, permitiu dedicar mais tempo para conhecer o outro. Além disso, durante as conversas online, 25% puderam se descobrir e trocar mais experiências do que um encontro pessoalmente.

O momento se tornou propício para aprofundar os relacionamentos, dessa forma, 26% compartilharam com o outro momentos da rotina e fotos/selfie, enquanto 21% afirmaram ter se sentido mais à vontade para contar angústias e inseguranças em meio ao período de quarentena, já que é um momento pelo qual todos estão passando e, provavelmente, são sentimentos em comum.

Os jantares românticos passaram a acontecer, para os usuários do Amor&Classe por meio da telinha do celular. 56% dos usuários do site marcaram jantares virtuais e 35% mantiveram o ato de enviar flores por meio das lojas de e-commerce. 

Comentários