‘Houve um golpe institucional no Brasil’ afirma o advogado Guilherme Ribeiro
Segundo Guilherme existe uma crise sistemática de sufocamento na política brasileira, onde há uma grande aliança entre setores do Judiciário com Oligopólio da grande mídia
Política - 19/05/2017
+notícias

18519805_995196373949661_585805988848498926_n (1)“Houve um golpe institucional no Brasil”, afirmou o advogado  Guilherme Ribeiro sobre o impeachment da presidenta Dilma Rousseff em 2016.

O programa Redação Mega recebeu na manhã de hoje (19), Guilherme Ribeiro para falar sobre o momento de crise que vive o governo brasileiro. Na última quarta (17), o presidente Michel Temer se tornou alvo de investigações por dar o aval para a compra do silêncio do ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ).

Joesley e outros executivos da JBS fecharam acordo de delação premiada. O acordo foi homologado na quinta (18) pelo ministro Luiz Edson Fachin, relator da Operação Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF).

Segundo Guilherme existe uma crise sistemática de sufocamento na  política brasileira, onde há uma aliança entre setores do Judiciário com  Oligopólio  da grande mídia, que acabam divulgando as informações  no ritmo de um  conta gotas como se fosse realmente  um processo de dissolução da política nacional.

Quanto a hipótese de um impeachment do presidente Michel Temer, Guilherme disse que seria iniciado um processo de eleições indiretas, em que apenas o Congresso Nacional senadores e deputados escolheriam o presidente do país, entrando em uma zona muito nebulosa porque ainda não existe uma lei que disciplina a eleição indireta.

Neste caso, a sociedade não ficaria sabendo quem seria o candidato, ou há qual partido o mesmo seria vinculado. Porém há uma tese de que a cassação do mandato via Tribunal Superior Eleitoral, possibilitaria as eleições diretas devido a  uma mudança que houve no código eleitoral em 2015, onde foi acrescentado um artigo no código, o parágrafo 3º no artigo 224 afirmando que em caso de cassação do mandato deveria haver uma nova eleição direta, concluiu Guilherme.

Ouça a entrevista na íntegra:

  • Facebook
  • Twitter