Desaparecimento de menino de 11 anos completa 6 meses na BA e mãe se desespera

Filho único, Davi Lima desapareceu após ter saído da casa de uma tia em direção à residência da avó, no povoado de Varzinha, na zona rural de Itiúba, norte da Bahia

Foto: Arquivo Pessoal


Seis meses se passaram desde o desaparecimento de Davi Lima Silva, de 11 anos, e a mãe do garoto, Lilia Lima, de 39 anos, continua sem respostas. Filho único, o menino desapareceu após ter saído da casa de uma tia em direção à residência da avó, no povoado de Varzinha, na zona rural de Itiúba, norte da Bahia.

“É como se não fosse verdade. Eu não consigo imaginar minha vida sem ele. Eu vejo ele o tempo todo aqui em casa, brincando, sentado na mesa. É muito difícil”, disse Lilia Lima, emocionada.

O quarto de Davi Silva está do mesmo jeito que o garoto deixou antes de viajar para Itiúba. Na parede, as fotos de momentos felizes em família.

“Desde quando eu descobri que eu estava grávida, a gente registrava todos esses momentos. Primeiro bolo, primeiro dia que ele ficou em pé, tudo a gente tirava foto”, contou a mãe do garoto.

VEJA TAMBÉM: CONQUISTA: Suspeito de estuprar criança de 12 anos é preso no município

Davi Lima desapareceu há pouco mais de seis meses, quando viajou com os pais, para visitar parentes. Lilia Lima é fotógrafa e conta que foi contratada, em Itiúba, para fazer um ensaio com um casal.

A mãe do garoto deixou o filho com a irmã e voltou em menos de duas horas, mas Davi já tinha desaparecido.

“Ela disse que foi comprar balas com ele em uma vendinha que tem próximo da casa dela. Aí quando voltou, ele correu, aí ela foi e pegou a moto e foi atrás, mas não achou mais ele”, relatou.

Logo após descobrir que o filho tinha sumido, os pais, vizinhos e familiares começaram as buscas. Lilia e o marido Edson Alves, procuraram incessantemente pelo garoto, em uma área de mata, mas não encontraram.

Uma equipe do Corpo de Bombeiros, além de cães farejadores e helicópteros também foram ao local, mas apenas a sandália que Davi usava foi procurada.

“Eu não acho que o menino sumiu, como o próprio cão que a capitã falou: ‘Seu Edson, o cão vai na sandália e retorna. O que ele passa para mim como adestradora: Ele diz que esse cheiro não prossegue para a mata. Ele retorna para cá’. Então deduzimos que a sandália foi colocada lá”, afirmou o pai de Davi.

A Polícia Civil continua investigando o desaparecimento de Davi. O inquérito não foi concluído mesmo após seis meses. O órgão pediu renovação do prazo por mais 90 dias.

Enquanto isso, Edson e Lilia se apegam na fé para reencontrar o filho.

“É muita dor para um pai acompanhar todo esse processo da criança. Uma criança cheia de sonhos”, contou o funcionário público.

“Todos os dias é como se eu fosse encontrar ele. Eu acordo com a esperança de que eu vou encontrar ele. O que está me mantendo viva é a fé e esperança de eu encontrar ele”, disse Lilia, desolada.

Davi foi visto pela última vez no dia 28 de março, após sair da casa de uma tia, em direção à residência da avó. Os imóveis são próximos um do outro e, segundo os familiares, o menino fazia o percurso com frequência.

De acordo com a tia do garoto, no dia do desaparecimento ele estava muito agitado. Davi estava usando uma camisa de cor cinza e um short estampado no dia em que desapareceu.

“O trajeto da casa de minha irmã para a casa de minha mãe ele sabia. Tantas vezes eu já mandei ele ir, ficava olhando e via ele chegar. Ainda falava que Davi estava indo”, disse a mãe do menino.
Ainda segundo a família, um vizinho informou que ele seguiu em direção a uma serra próxima ao povoado, mas desde então não há informações sobre o garoto.

Familiares disseram que uma pessoa teria ouvido gritos de socorro em uma região de mata, na localidade de Laje da Cruz, também em Itiúba. Mas como essa pessoa não sabia que alguém na área estava desaparecido, não foi averiguar.

G1

Comentários